Arte e sociedade: diálogos entre Guyau e Boal

Saulo Magalhães, Regina Andrade

Resumen


A arte na contemporaneidade, levando adiante o projeto moderno, propõe, novos modelos perceptivos, experimentais, críticos e participativos. Diante do atual cenário, esse artigo tem como objetivo revisitar as discussões sobre arte e sociedade, trazendo em cena dois autores que foram ícones para essa questão: Augusto Boal fundador do método do Teatro do Oprimido e Jean-Marie Guyau filósofo francês precursor das discussões sobre arte e sociedade. O eixo central desse diálogo será a ideia em comum dos autores sobre a arte como uma extensão da sociedade que tem como potencia uma emoção artística que é, essencialmente social.

Palabras clave


Arte e sociedade; Teatro do Oprimido; estética social.

Texto completo:

PDF

Referencias


Andrade, Regina (2003). Personalidade e Cultura: Construção do imaginário. Rio de Janeiro: Revan.

Adorno, Theodor (1970). Teoria Estética.Lisboa: Editora 70.

Boal, Augusto (2009). A Estética do Oprimido. Rio de Janeiro: Garamond.

______ (2004). Jogos para atores e não-atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

______ (1996). O arco-íris do desejo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

______ (1980). Stop: c’est magique. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

______ (1988). Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

______ (1996). Teatro legislativo (Versão Beta). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Bourriaud, Nicolas (2009). Estética relacional. São Paulo: Martins.

Bourdieu, Pierre (1999). O poder simbólico,2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Dall'Orto, Felipe Campo (2008). O Teatro do Oprimido na formam da cidadania. Fênix. Revista de Linina e Estudos Cultura5(2).

Furió, Vicenç (2000). Sociología del Arte. Madrid: Cátedra.

Geertz, Clifford (1994). Conocimiento local; ensaios sobre la interpretación de las culturas. Barcelona: Paidós.

Guyau, Jean-Marie (2009). A arte do ponto de vista sociológico. São Paulo: Martins Fontes.

Nietzsche, Frederick (1996). Cinco prefácios para cinco livros não escritos, trad. Pedro Süssekind. São Paulo: Sette Letras.

Sanctum, Flávio (2012). A estética de Boal: odisseia pelos sentidos. Rio de Janeiro: Multifoco.

Santos, Bárbara (2016). Teatro do Oprimido: Raízes e Asas – uma teoría da praxis. Rio de Janeiro: Ibis Libris.

Yúdice, George (2006). A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: UFMG.




DOI: http://dx.doi.org/10.22370/panambi.2016.3.551

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Panambi. Revista de Investigaciones Artísticas

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.